30.10.06

Publicidade interativa: TV Digital e Internet

Parece que estamos próximos de mais um novo passo da publicidade no mundo digital. Desde a chegada da internet, os publicitários pouco se aventuraram no mundo digital. Antes de mais nada por falta de conhecimento, mas também porque a verba de veiculação deste meio nuca foi tão atraente como a tradicional televisão.

Mas o avanço da tecnologia, especialmente a banda larga e a TV digital, estão colocando os publicitários na parede. No caso da internet, hoje já vemos ações um pouco mais originais que os tradicionais banners. A mais recente é a campanha da MTV chamado Instituto Purifica. Com anúncios constantes no canal MTV e página inteira de jornais e revistas, a publicidade apenas convida para o site www.institutopurifica.com.br. Trata-se de um ARG (Alternate Reality Game); o participante deve caçar pistas para desvendar o segredo do Instituto Purifica e durante essa aventura detetivesca ele acaba interagindo com as mais diversas marcas e produtos. É provável que essa inovadora ação de marketing tenha sucesso; só não espere que o consumidor tenha paciência suficiente para participar de dezenas de ARGs caso cada grande anunciante resolva aproveitar a moda.

Já no caso da TV Digital, os publicitários inicialmente pretendem seguir a experiência obtida com o cinema. A interatividade deve diminuir ainda mais a audiência dos comerciais, por conta disso, as agências de publicidade têm sugerido aos grandes anunciantes que participem mais do conteúdo da programação.

Essa proposta busca atender a expectativa da sociedade que a cada dia recusa tudo aquilo que lhe parece invasivo; ao invés dos merchandisings tradicionais, surge um merchandising mais ameno, como aconteceu no filme I AM SAM (2001), em que Sean Penn aparece como funcionário da StarBucks ou em CAST AWAY (2000) no qual Tom Hanks é funcionário da FedEx e a marca aparece inúmeras vezes no filme, porém sem os apelos do merchandising do passado. Melhor ainda é a participação da marca de esporte Wilson, que passa a ser coadjuvante de Tom Hanks em determinado momento do filme.
O problema é que a questão ética fica num limite muito tênue. Ficamos todos na mão da consciência dos publicitários, ou melhor, ficamos na mão do mercado capitalista que convenhamos, não tem consciência ética alguma. Por essas e outras, fico receoso com o próximo lançamento da Universal Pictures, prometido para 2008. O título não é nada menos do que: HOW STARBUCKS SAVED MY LIFE. Isso é a publicidade do futuro?


>> Filme ou merchandising?
Publicitários não se limitam a incluir produtos nos programas, agora escrevem os roteiros
Se antes as ações de merchandising se limitavam a uma cena do filme, agora vão ocupar a história inteira e condicionar o consumidor a sair do cinema com a marca no seu cérebro. A motivação que leva anunciantes a apostarem no conteúdo em si para dar maior permanência às suas mensagens marca forte tendência da publicidade.

[veja a matéria completa]

>>Publicidade ganha braços na TV digital
Segundo publicitário, interatividade possibilitará alcançar o telespectador, e ele poderá responder imediatamente
Prevista para chegar no Brasil apenas no final do ano que vem, a TV digital já chegou para o mundo da publicidade há um bom tempo. É o que diz Nizan Guanaes, presidente da agência Africa e um dos publicitários brasileiros mais respeitados em terras tupiniquins e estrangeiras.
Sua arma principal, além da criatividade, será o marketing indireto. Para quem não sabe o que é isso, vale o filme Náufrago como exemplo. Nele, a empresa de transportes Fedex e uma bola de vôlei da Wilson fazem parte da história, não são meros anunciantes.
Não rola comercial nem nada, apenas o produto, com o nome dos fabricantes, aparece na tela. Com a TV digital, presume-se que o telespectador, assim que olhar aquela pelota, possa clicar com o controle remoto sobre a imagem para receber informações como preço ou onde comprá-la perto de casa.

[veja a matéria completa]

MobileFest


Em novembro o Sesc/SP promove o MobileFest - Festival de Arte e Criatividade Móvel, evento que traz mostras e palestras sobre arte móvel. Dentre os participantes estão David Cavallo (MIT), Giselle Beiguelman (PUC/SP), André Lemos (UFBA), Ethevaldo Siqueira (OESP)e Gilson Schwartz (USP).

MOBILEFEST - FESTIVAL DE ARTE E CRIATIVIDADE MÓVEL
SESC AVENIDA PAULISTA - 16 E 17 DE NOVEMBRO DE 2006
QUINTA E SEXTA, 13h ÁS 21h

INFORMAÇÕES: SESC Avenida Paulista (Central de Atendimento)
Telefone: (11) 3179-3716 ou PABX: (11) 3179-3700 - Fax: (11) 3179-3765
Terça a sexta, das 9h às 22h. Sábados e domingos, das 10h às 19h
Avenida Paulista, 119 Paraíso São Paulo
Email: mobilefest@avenidapaulista.sescsp.org.br

OBS: Colaboração de Ronaldo Entler para o e-Code.

21.10.06

Pit-Stop no Pacaembu

A Shell repete mais uma vez a ação de marketing premiada em 2005, na qual uma equipe de promotores simulam um pit-stop de Fórmula 1, nos semáforos de São Paulo. A ação ocorre dias antes da abertura do Grande Prêmio do Brasil de 2006.

No semáforo em frente ao estádio do Pacaembu, uma equipe, composta por cerca de 7 pessoas, vestidas com macacão e capacete vermelhos, iniciam uma encenação logo que o sinal fecha. Com os carros parados, um dos moços mais afoitos do grupo avançou sobre a faixa de pedestre com uma placa à mão: Pit-Stop!!! À medida que os motoristas perplexos
encaravam o rapaz, o restante do grupo, com determinação, corriam ao redor de um veículo a fim de simular uma daquelas trocas de pneus e abastecimento tão conhecidas de quem vê televisão aos domingos. O curioso é que a cena era repetida, pelo menos, 4 vezes. Em menos de 20 segundos, um dos veículos parados diante do sinal tornava-se alvo dos mecânicos imaginários. Todavia, o clímax ocorria quando uma moça, de cabelo esvoaçante e olhar determinado, lança mão no vazio e entrega para o motorista um folheto redentor: "Abasteça e Participe" da promoção dos postos Shell.

Em tempos de violência urbana, um motorista mais desavisado, ao ver um grupo de pessoas com capacete, correndo ao redor do carro ao seu lado, pode confundir a cena com um assalto em ocorrência. Porém, após compreender a proposta da ação de marketing, passa a ficar ansioso pela chegada da equipe e adianta-se em abrir o vidro para receber o copo d'água da moça. O mais inusitado acontece no fim da encenação, quando o sinal abre e todos os pilotos saem em disparada, envolto pelo universo da Fórmula 1.

OBS: Post escrito com a colaboração do amigo João Guedes, que não presenciou, mas imaginou maravilhosamente a cena.

12.10.06

Os robôs da AUDI


Para chamar a atenção para o lançamento do modelo Audi A3 Sportback, a AlmapBBDO e a Audi trouxeram da Alemanha dois braços mecânicos que irão esculpir em um bloco de poliuretano o novo modelo esportivo em uma stand montada na Av. Dr. Lineu de Paula Machado, 1.557, próximo ao Jockey Clube.
A ação ocorre entre dos dias 10 e 18 de outubro, véspera da abertura do Salão do Automóvel de 2006. Após a conclusão o modelo em poliuretano ele será substituído por um modelo real do A3 Sportback.
Um hotsite foi elaborado para acompanhar o trabalho dos robôs - www.audi.com.br/robots, onde quatro câmeras exibem ângulos diferentes dos robôs em atividade. Além disso, boletins serão transmitidos pela GNT, Globonews, SporTV e Multishow.

4.10.06

"I am not a terrorist"

Um breve "case" sobre propagação espontânea:

Recentemente um iraquiano foi obrigado, por seguranças do aeroporto JFK, a tirar sua camiseta onde se lia "We will not be silent" em árabe e inglês.

Ao saber desse fato, o americano Tim Murtaugh resolveu criar uma estampa com a frase em árabe "Eu não sou um terrorista". Ele pretende usar a camiseta sempre que precisar fazer uma viagem de avião, como forma de protesto. Toda a história está publicada no seu blog http://o2b.net/archives/116. No site de vendas on-line SpreadShirt (https://www.spreadshirt.com/shop.php?sid=47042) é possível comprar a camiseta.

A notícia espalhou rapidamente, principalmente por conta da sua divulgação no site DIGG (portal com referência de notícias, indicadas pelos próprios usuários do Digg) e em outros veículos de comunicação, inclusive no Brasil (nota na revista BRAVO de set/2006), o que provavelmente aumentou consideravelmente a venda da camiseta. As camisetas foram colocadas à venda no final de agosto/2006 e em cerca de 30 dias, Tim Murtaugh vendeu em torno de 1.000 camisetas. Com a propagação espontânea gerada a partir desse mês é possível que a campanha ganhe mais repercussão.

OBS: A SpreadShirt não oferece a opção de envio da camiseta para o Brasil, uma alternativa é criar sua própria estampa, através de sites como o Camisa on-line (http://www.camisaonline.com.br) onde você pode enviar a imagem que deseja como estampa da camiseta.


 
Para receber esse blog por e-mail, envie uma mensagem info.ecode@messa.com.br e
escreva "incluir" no campo "assunto" da mensagem. Para cancelar, basta escrever a palavra "excluir".